TAMANHO:

construção de painéis de madeira e sanduíche que potencializa a descentralização e ajuda o meio ambiente

construção de painéis de madeira e sanduíche que potencializa a descentralização e ajuda

Concebida para sua localização em Coyhaique e comandada pela equipe Tallwood, a obra tem 19.700 m2, distribuídos em um plinto de dois níveis para escritórios, uma torre de dez andares para 68 apartamentos e três subsolos para 220 vagas de estacionamento. Um edifício pioneiro em matéria de sustentabilidade a nível latino-americano, que consegue sequestrar 1.495 toneladas de C02, graças aos seus mais de 1.870 m3 de estruturas de madeira.

Muito se fala sobre o Chile ser um país centralista. Que quase todas as grandes coisas acontecem em Santiago. E embora sejam afirmações acertadas em muitos aspectos, geralmente há exceções à regra que quebram os moldes estabelecidos e revolucionam paradigmas. Seria o caso do projeto Edificio Tamango, uma ideia que surgiu como uma comissão sustentável, capaz de incorporar as mais recentes tecnologias de madeira de arranha-céus e, ao mesmo tempo, promover a descentralização em uma das cidades mais meridionais e poluídas do mundo. .

Segundo Gerardo Armanet, arquiteto responsável pelo projeto e um dos fundadores da Tallwood Consultores —precursores de um novo arranha-céu com estruturas de madeira/engenharia—, no final de 2019 eles entraram em contato com as famílias Puchi e Traeger, coyhaique e interessados ​​em desenvolver uma ideia construtiva que, além de ser um bom exemplo para a cidade, se torne uma referência na região e também no país.

Especificamente, indo formal e tecnicamente, o Edifício Tamango é um projeto de 19.700 m2, que tem 2.500 m2 de um plinto de dois níveis para escritórios de varejo e Co-work, uma torre de dez andares com 8.500 m2 para 68 apartamentos residenciais e três subsolos — 8.700 m2 no total — para 220 vagas de estacionamento. Por sua vez, a estrutura possui 1.870 m3 de madeira com 3.000 peças de CLT e LVL, fabricadas pela empresa sueco-finlandesa Stora Enso.

Em relação às tecnologias implementadas para poder realizá-lo, é necessário destacar que estas têm sido amplamente utilizadas; tanto na Finlândia como em toda a Europa, incluindo também a América do Norte e a Oceania. De fato, existem atualmente vários projetos em desenvolvimento em outros continentes e, como aponta Armanet, “o Chile, um país florestal com cerca de 22% de seu território coberto por florestas, tem uma boa oportunidade de agregar valor a esta indústria, que pode contribuir fortemente para alcançar a neutralidade carbônica comprometida até o ano de 2050. Como todas as inovações, a implementação requer um processo de aprendizado, mas os exemplos existentes mostram que investir adequadamente no processo de projeto resulta em grandes benefícios na etapa de construção, que é claramente a mais exigente em termos de recursos”.

A madeira como elemento sustentável

construção de painéis de madeira e sanduíche que potencializa a descentralização e ajuda

Na hora de aprofundar a sustentabilidade da obra —e de qualquer edifício—, o arquiteto ilustra que, para calculá-la, é preciso medir as emissões poluentes, tanto em sua fase de fabricação quanto em seu uso. Como dados, o Relatório sobre o Estado Global do Setor da Construção para o ano de 2019, indica que essa área é responsável por 39% das emissões de CO2 na atmosfera —somente em sua fase de fabricação e construção—, 36% do uso final de energia e 37% do uso e consumo de recursos sólidos globalmente.

Neste contexto, a madeira surge como o único material renovável que permite construir estruturas em altura. Tanto é assim, e como já foi referido, o Edifício Tamango, um edifício de madeira e painéis sanduíche, tem 1.870 m3 de estruturas feitas com este material, que captam 1.495 toneladas de CO2 na sua fase final. Para se ter uma ideia, se esses mesmos 1.870 m3 fossem de concreto armado, aproximadamente 3.800 toneladas de CO2 seriam liberadas na atmosfera apenas do concreto, sem considerar as emissões de aço do concreto armado. No total, estamos falando de 5.295 toneladas de C02 a menos na atmosfera; dados que, segundo a Armanet, fazem uma enorme diferença.

No entanto, e vale esclarecer, a utilização de madeira e painéis sanduíche no projeto também passa a ser um material de alta tecnologia e devido ao seu longo histórico na pré-fabricação, qualidade que permite um excelente resultado construtivo devido à sua precisão e rapidez . montagem. A isto acrescenta-se que, sendo a cidade de Coyhaique, custa muito mais a obtenção de mão-de-obra e matéria-prima para a construção, pelo que a utilização de sistemas pré-fabricados faz todo o sentido.

construção de painéis de madeira e sanduíche que potencializa a descentralização e ajuda

Sobre as múltiplas vantagens deste método, Armanet detalha que “os painéis de madeira laminada cruzada atingem uma enorme resistência, com um peso aproximado de 470 kg/m3 contra 2.500 kg/m3 de betão armado”. Isso dá enormes vantagens no manuseio dos elementos estruturais no processo de fabricação, transporte e montagem. Além disso, as cargas gravitacionais são reduzidas para cerca de 20% ao reduzir as fundações.”

Questionado sobre o tipo de madeira e sua origem, o arquiteto especifica que todas são extraídas de florestas que possuem as correspondentes certificações de manejo florestal da Comunidade Européia. Até a empresa Stora Enso calcula que o crescimento da madeira utilizada nessa estrutura leva 45 minutos para se recompor em sua floresta original.

Edifício Híbrido e Impacto na Comunidade

construção de painéis de madeira e sanduíche que potencializa a descentralização e ajuda

Embora seja verdade que a madeira tenha uma série de vantagens que o concreto e o aço não têm, não podemos ignorar que esses dois últimos elementos são excelentes aliados na hora de unir forças em busca de um objetivo maior. Ou seja, as estruturas de madeira não vêm substituir todos os outros materiais estruturais —concreto ou aço—, mas, além de ajudar a neutralizar suas emissões, são um ótimo complemento estruturalmente falando. “Não temos dúvidas de que quando falamos de estruturas eficientes, estamos falando de estruturas híbridas”, acrescenta Armanet.

Quanto à recepção e impacto na comunidade, os resultados têm sido muito bons, pois, deixando de lado certas dúvidas iniciais relacionadas a dúvidas lógicas diante de tal inovação, o conceito e a magnitude foram perfeitamente compreendidos. Ruim ou ruim, foram dois anos de trabalho no projeto, com uma equipe de 20 profissionais envolvidos —entre arquitetos e engenheiros— e com revisores locais e estrangeiros.

Outra informação que reafirma o apoio que a iniciativa tem tido é a preocupação que se tem tido com a eficiência na utilização energética do edifício, uma vez que é totalmente elétrico e o aquecimento central por piso radiante e a água quente sanitária são alimentados por bombas. calor de alta eficiência. Paralelamente, foi concebido um robusto sistema de isolamento dos recintos, fachadas ventiladas e ventilação mecânica das instalações, que permitem cumprir o exigente plano de descontaminação ambiental em vigor na cidade de Coyhaique.

O tempo estimado para a execução da obra básica da estrutura de madeira é de quatro meses —normalmente levaria o dobro para aquela superfície— e a montagem será bem menos invasiva, pois por ser uma obra “seca”, menos ruído será emitido. , menos material particulado será levantado e o tráfego de caminhões será substancialmente reduzido. Tudo, para fazer do Edifício Tamango uma referência para o desenvolvimento de outras iniciativas semelhantes em todo o país.